BYD
ANC

Viana avalia desistência da campanha a prefeito de BH

Por Rede Megga em 04/07/2024 às 08:32:22

Numa reviravolta típica de início de campanha eleitoral, o senador Carlos Viana (Podemos), até um m√™s atr√°s líder das pesquisas a prefeito de BH, avalia desistir da disputa.

O assunto circulou desde o início da semana por conta de um trato pactuado, e não cumprido, entre ele e o controlador do partido dele, Marcelo Aro (PP), secret√°rio da Casa Civil de Zema.

Viana havia acertado licenciar-se do cargo de senador para cuidar da campanha a prefeito a quatro meses da votação. Com isso, abriria espaço no Senado para seu suplente, Castelar Guimarães, um dos principais aliados de Aro.

Em função de v√°rios fatores, entre eles a queda nas pesquisas, Viana repensou seu futuro e achou melhor não deixar de ser senador para embarcar na aventura de ser candidato a prefeito.

Por lei, ele não precisaria licenciar-se do cargo de senador para a disputa, mas o acordo foi imposto pelo partido. Caso contr√°rio, além da legenda, o Podemos poderia lhe negar o financiamento eleitoral. De imediato, j√° o retirou do comando municipal da agremiação.

O governador mineiro j√° provou que um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, quando foi eleito e reeleito pelo partido Novo. As coisas para Zema só dão certo quando tudo d√° errado para os outros, especialmente advers√°rios.

Ele passou o primeiro mandato cultivando uma aliança com o então presidente Bolsonaro, mas nunca buscou solução para o principal problema de Minas: a dívida de R$ 160 bilhões.

Nem pagou um centavo sequer desse endividamento. É possível que tenha feito no caixa no período. Desde que surgiu, h√° cinco meses, uma proposta salvadora e dialogada com o governo federal, ele vem fazendo figas.

Agora, à beira da apresentação do projeto, continua dizendo que não vai dar certo. Se tudo der errado, ele estar√° certo novamente, fazendo o raio cair pela terceira vez no mesmo lugar.

A realidade, porém, é outra. Queira ele ou não, o projeto da dívida não é mais para Minas. O assunto foi nacionalizado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), a partir da Assembleia Legislativa de Minas.

Tanto é que, em vez de reclamar, os governadores de Goi√°s, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul pediram a Pacheco dois dias para avaliar a proposta. A partir daí, a tramitação ser√° relâmpago, passando por cima de raios e de seus aliados.

Comunicar erro
PAG

Coment√°rios

ANUNCIE 6
AGRO