BYD
ANC

Alvo de operação policial teria lucrado com empresas de fachadas criadas por facção criminosa, diz PF

Por Rede Megga em 11/06/2024 às 16:14:49

O advogado Fernando Magalhães, um dos que defenderam Adélio Bispo, respons√°vel pela facada no então candidato à Presid√™ncia do Brasil JairBolsonaro, foi um dos alvos da "Operação Cafua" da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco) realizada nesta terça-feira (11).

De acordo com as investigações, ele teria lucrado com empresas de fachada criadas para lavar dinheiro de crimes cometidos pelo PCC. Segundo a Polícia Federal, mais de 20 estabelecimentos fantasma faziam parte do esquema em Minas Gerais.

  • Magalhães estaria recebendo dinheiro, sem relação com seus trabalhos como advogado.
  • Durante a ação policial, quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Lagoa Santa e São José da Lapa, na Grande BH, e em Par√° de Minas, na Região Central do estado.
  • ação envolveu as polícias Federal, Civil, Militar e Penal teve como objetivo coibir lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    As determinações judiciais foram expedidas pela 2¬™ Vara de Tóxicos, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores da Comarca de Belo Horizonte.

    Também foram cumpridos mandados de lacração e suspensão das atividades de 24 estabelecimentos comerciais e a indisponibilidade de bens de 31 pessoas físicas e jurídicas no montante de R$ 260 milhões.

    De acordo com a Polícia Federal (PF), o esquema refere-se à lavagem de dinheiro, especialmente realizada pelo tr√°fico de drogas.

    A operação é um desdobramento da "Operação Caixa Forte", feita em 2019, que investigou o tr√°fico de drogas de um grupo criminoso na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Comunicar erro
PAG

Coment√°rios

ANUNCIE 6
AGRO